Energia


Internet das Coisas para Gestão de Smart Grids

Gestão de energia é um requisito para um meio ambiente sustentável e as smart grids representam um pilar essencial para sua consecução. A disseminação de fontes de energia renováveis levou a uma profunda modernização dos sistemas tradicionais de distribuição de eletricidade e na maneira de distribuí-la efetivamente. A Smart Grid é definido como um sistema de distribuição elétrica inteligente que oferece fluxos bidirecionais de energia dos produtores aos consumidores. Ao contrário das redes de energia tradicionais, onde a energia é gerada apenas por uma central e distribuída para os clientes finais através de grandes redes de transformadores e subestações, na Smart Grid os clientes finais também atuam como produtores. A energia produzida por consumidores em “micro Grids” (através de painéis solares, turbinas eólicas, entre outras formas de geração) é enviada para a Grid principal que, por sua vez, realiza o gerenciamento e armazenamento adequados.

O acompanhamento e troca de informações sobre os fluxos de energia são aplicações adicionais das Smart Grids. Com a utilização de medidores inteligentes, dispositivos automáticos de controle, smart switches e appliances, a Grid é capaz de prever com antecedência as demandas energéticas esperadas e adaptar a produção e consumo, consequentemente evitando picos de carga, eliminando possíveis apagões e agindo prontamente em caso de falhas e/ou perdas.

Informações relativas ao consumo de eletricidade podem ser também entregues aos clientes finais, a fim de aumentar a conscientização sobre hábitos de consumo e incentivando uma utilização mais racional da energia. Nesse sentido, as distribuidoras podem oferecer incentivos ao consumo consciente ou mesmo flexibilidade nas tarifas cobradas de acordo com o perfil de consumo. As Smart Grids podem também ser integrados com as Cidades Inteligentes (Smart Cities) para o desenvolvimento de outros serviços.

 

As redes inteligentes estão ganhando impulso na IoT

Muitas pessoas não pensam sobre o fornecimento da concessionária até que algo dê errado e o interrompa. As falhas podem causar estragos generalizados para as comunidades afetadas e os fornecedores de serviços públicos. É por isso que muitas empresas usam cada vez mais as redes inteligentes para compensar. Uma rede inteligente usa monitoramento em tempo real para medir a demanda e se ajustar automaticamente para um desempenho ideal.

As redes inteligentes geralmente usam a tecnologia da Internet das Coisas (IoT). Veja como a tecnologia IoT de uma rede inteligente pode ajudá-la a operar e por que as empresas frequentemente decidem que a IoT e as redes inteligentes podem atender às suas necessidades.

A IoT pode evitar tempo de inatividade não planejado

Um dos desafios enfrentados pelo setor de serviços públicos é que as empresas muitas vezes só descobrem problemas depois que ocorrem interrupções. Mas, quando as marcas usam redes inteligentes equipadas com tecnologia IoT, elas podem responder de forma proativa para evitar interrupções.

Em um exemplo recente, pesquisadores criaram sensores do tamanho de smartphones que medem sinais de radiofrequência. Esses componentes conectados podem informar aos operadores de serviços públicos sobre a condição contínua do equipamento elétrico . Os pesquisadores afirmam que esses sensores são os primeiros desse tipo. O impacto que eles têm pode ser substancial para as empresas de serviços públicos que os utilizam, bem como para todos os clientes que atendem.

Além de ajudar as empresas a evitar quedas de energia em redes inteligentes, sensores IoT como esses podem simplificar a operação das empresas de serviços públicos. Atualmente, eles enviam equipes de fiscalização para verificar os equipamentos elétricos.

Essa tecnologia provavelmente não tornará as inspeções obsoletas. Mas, poderia ajudar as empresas a fazer melhor uso de seus recursos humanos, enviando trabalhadores para locais onde os equipamentos já apresentam estatísticas anormais.